Cinedocumenta começa hoje, no teatro do CCU

Cinedocumenta começa hoje, no teatro do CCU

Pitanga abre a 12ª Mostra de Cinema Documentário – Cinedocumenta

Pitanga abre a 12ª Mostra de Cinema Documentário – Cinedocumenta

IPATINGA – A 12ª edição da Mostra de Cinema Documentário – Cinedocumenta, tem início hoje (10), com sessão inaugural no teatro do Centro Cultural Usiminas, às 19h. O evento traz como tema Diversidade de Amar, um convite a reflexões sobre as possíveis formas de amor.

“O cinema antecipou a liberdade de amar. Deu-nos o legado de Brigitte Bardot, Pasolini e Almodóvar, entre muitos outros que nos fizeram redimensionar os padrões da sexualidade e do amor na sociedade ocidental. Quebraram tabus evitando que as diversidades do amar humano não fossem profanadas e sufocadas por regras castradoras de uma moral desumana. Com o tema Diversidade de Amar, vamos celebrar todas as maneiras de se viver o amor, exibindo filmes que ampliam os horizontes da sociedade contemporânea para a necessidade de se defender intransigentemente todas as formas de amar. A intolerância tem sido um mal do nosso tempo. Cinedocumenta é um grito contra esse sentimento”, destaca Éderson Caldas, idealizador e realizador da Mostra.

Pitanga e Manifesto Porongos serão os filmes de abertura do evento. O primeiro, uma produção carioca, investiga o percurso estético, político e existencial do ator Antônio Pitanga que, dirigido por grandes cineastas – como Glauber Rocha, Cacá Diegues e Walter Lima Jr., foi destaque em alguns dos momentos de maior inquietação artística do cinema brasileiro. A direção do filme leva assinatura de Beto Brant e Camila Pitanga.

O segundo filme da noite de estreia da Cinedocumenta será Manifesto Porongos

O segundo filme da noite de estreia da Cinedocumenta será Manifesto Porongos

O segundo filme da noite de estreia da Cinedocumenta será Manifesto Porongos, uma produção que vem de Porto Alegre. “O filme fala sobre a verdadeira identidade da Revolução Farroupilha no Rio Grande do Sul, sempre ensinada como abolicionista. Ele é o outro lado, o da verdade sempre oprimida, o do Massacre de Porongos, onde negros que lutaram por sua liberdade tiveram sua vidas tiradas covardemente num dos maiores atos racistas e genocidas da história do país”, comenta Thiago Köche, que assina a direção, edição e câmera do curta.

A exibição dos filmes da primeira noite da Cinedocumenta será seguida de debate com o historiador Sávio Tarso, com o diretor Thiago Köche e o produtor cultural convidado, Fábio Delduque, que é também  artista plástico, um dos idealizadores e curador do Festival Arte Serrinha, além de trazer em seu currículo cenografias de shows da Nação Zumbi, Elba Ramalho, Moska e Jorge Benjor, e a direção de arte dos filmes Modo Ave, de Beto Brant; Ralé; Luz nas Trevas, e Canção de Baal, da diretora Helena Ignez.

Às 14h do dia 11 de maio, a Cinedocumenta promove a Sessão Cinema Eficiente, e  lança Luiza na telona do teatro do Centro Cultural Usiminas. O filme trata da delicada relação ente uma jovem deficiente e o universo que a cerca, tendo a sexualidade como fio condutor para abordar questões como preconceito, relações entre pais e filhos, superproteção da família, autonomia, diferença e amor. A direção, o roteiro e a produção são de Caio Baú.

Colegas é a segunda atração da Sessão Cinema Eficiente. O filme fala sobre a vida dos jovens Stallone, Aninha e Márcio, que viviam juntos em um instituto para pessoas com síndrome de Down. Um dia eles decidem fugir para se aventurar e realizar o sonho individual de cada um, se envolvendo em muitas aventuras e confusões. A direção de Colegas é de Marcelo Galvão.

Às 19h, será exibido o filme Ingrid, uma reflexão sobre a mulher e seu corpo. O curta, que vem da capital mineira, tem como protagonista Ingrid Leão, e conta com a direção e fotografia de Maick Hannder.

Divinas Divas será o segundo filme da noite do dia 11. O filme carioca traz no elenco Rogéria, Jane Di Castro, Divina Valéria, Camille K, Eloína dos Leopardos, Fujika de Halliday, Marquesa e Brigitte de Búzios, ícones da primeira geração de artistas travestis do Brasil. A partir de uma íntima relação com a diretora, Leandra Leal e com o teatro de sua família, importante palco na trajetória de todas elas, as personagens foram acompanhadas no processo de construção de um espetáculo que celebra seus 50 anos de carreira. O filme propõe a compreensão de suas vidas como obras de arte, mas também como ato político no Brasil de ontem e de hoje.

A sessão será seguida de debate com a documentarista Tatiana Carvalho, Sávio Tarso e Maick Hannder.

No dia 12 de maio, último dia da Cinedocumenta, a Mostra será realizada no auditório Jamil Sellim de Salles da Fadipa, a partir das 9h. Mademoiselle do Rap, uma produção vinda de Goiânia, abre a sessão.  O filme conta um pouco da vida, trajetória e luta contra o preconceito de Lulu Monamour, que se auto-intitula o primeiro cantor de rap assumidamente homossexual no Brasil.

Amor, a razão fecha o programa da Cinedocumenta. O filme baiano, segundo seu diretor, Rogério Vilaronga, “é uma reverência ao sentimento que não sabemos quando vem de onde vem, para onde vai e para onde nos levará. O amor é o que move as pessoas, mas que estas nunca possuirão palavras para descrevê-lo”.

A sessão de encerramento será comentada por Rogério VIlaronga, Jô de Carvalho, Éderson Caldas e Edith Gonzáles.

Uma oficina sobre produção de documentário completa a programação da 12ª Cinedocumenta. A aula será ministrada pelos cineastas e jornalistas Sávio Tarso e Nilmar Lage, no dia 12, de 10 às 16h, na Escola Estadual Professora Elza de Oliveira Lage, e terá como público-avo alunos da rede pública de ensino de Ipatinga.

Será aplicada na oficina a metodoligia expositiva sobre os conceitos básicos da linguagem do cinema e da produção de documentário. Em seguida, os alunos participarão de atividades prática, a fim de que assimilem noções fundamentais sobre utilização dos equipamentos utilizados para a produção dos filmes. Ao final da aula, os alunos assistirão a documentários produzidos pelos oficineiros, “uma oportunidade de a turma refletir sobre o processo de produção. Esse exercício despertará nos alunos o interesse pela prática documentarista”, explica Sávio.

A Cinedocumenta é uma realização de Éderson Caldas, com o apoio do Edital Exibe Minas 2016, Lei Estadual de Incentivo à Cultura e patrocínio da Usiminas.

SERVIÇO

12ª Mostra de Cinema Documentário – Cinedocumenta. De 10 a 12 de maio. Entrada franca. Confira a programação, que inclui a classificação dos filmes, no site. www.cinedocumenta.com

FICHA TÉCNICA

Coordenação geral: Éderson Caldas
Curadoria: Sávio Tarso e Éderson Caldas
Coordenador técnico: Cristiano Almeida
Coordenador de produção: Simonal Wilde
Coordenação de logística: Lú Profiro
Assistente de produção: Luiza Gonçalves e Beto de Faria
Produção executiva: Marilda Lyra
Assessoria de imprensa: Goretti Nunes

 

No Comments

Post A Comment